Relixx. Ué, mas o projeto Relix não tem só um X?

18527073_624159927790613_1489154975261398785_o

Conheça a história de catadoras do projeto Relix

Se xx é o par de cromossomas presente nas mulheres, a publicação do projeto Relix, recorte da importância do gênero na coleta seletiva, não poderia terminar com um x apenas. Relixx. Nossa reverência à força cromossômica feminina por uma vida sustentável. A maioria dos catadores em Alagoas são catadoras. Trabalho incansável de prolongar a utilidade das coisas e a existência de um planeta que não suportará a destruição gerada pelo desperdício. Serem reconhecidas e respeitadas é o x da questão. Batalha diária para transformar lixo em fonte. Descartável em permanência. Sustento e sustentabilidade. Peleja gigante, contraditória à sua invisibilidade. Delicadamente, o Relixx acendeu algumas velas.

Maceió, janeiro de 2017. Vila Emater, antigo lixão desativado. Seis catadoras de resíduos sólidos abriram suas casas e seus corações. Contaram suas histórias e as de seus objetos. Revelaram a preciosa coerência entre a profissional e a pessoa, entre os conceitos do ofício e as práticas fora dele. Inverteram o poema de Augusto de Campos. Se o concretista escreveu LIXO com a repetição do LUXO, essas mulheres escreveram LUXO com a repetição do que encontraram no LIXO. Augustas por natureza, uma vez que a natureza da palavra vem do latim e quer dizer digna de respeito.

Tereza Cristina Galdino da Silva, Ijanete Aureliano dos Santos, Andréia da Silva, Cícera Rodrigues de Morais, Maria Carmira da Silva e Angela Maria dos Santos.

As páginas deste catálogo não dão conta da imensidão do conteúdo que pertence a cada uma delas. Muito menos das milhares de catadoras que elas representam. Os textos e crônicas são bilhetes diante de suas trajetórias enciclopédicas.

Não por coincidência, três das seis catadoras têm Silva no nome. Exatamente como a sétima mulher que aparece na última página da publicação. Ela não abriu sua casa, mas fechou o catálogo como símbolo da hegemonia do gênero nas lideranças. Maria José da Silva tem três nomes simples: Maria, José e Silva. Todos parecem com ela. Maria e José por ter ocupado os dois papéis ao mesmo tempo: mãe e pai de Catarina. Silva por vir de selva. Selvagem. Vida bruta. Muita luta do lixão à presidência da cooperativa. Hoje, tem mais filhos e é casada. Sua aliança foi feita da prata dos anéis que encontrou no lixo. Preciosa aliança. Preciosa Maria. Preciosas Augustas.

Ficha Técnica da Publicação Relixx
Idealização e texto: Lina Rosa
Fotografias: Helder Ferrer
Programação Visual: Leonardo Soares
Tratamento de Imagens: Robson Lemos
Finalização: Alcides Burn
Gestão de Comunicação: Gabriela Carlos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *