Mas, afinal, o que é ser grande?

bonecos do mundo em joão pessoa Aliança Comunicação e Cultura

Mas, afinal, o que é ser grande? Aqui, não contamos grandeza pelos muitos números e longas medidas. Na matemática, o número que mais gostamos é o que nos traz proporções infinitas e continua livre em mistério: o pi. Seu símbolo traz, sobre duas “pernas de pau”, um sinuoso e divertido “til”. A magnitude de olhar a vida por outros ângulos. Uma essência que sobrepõe a emoção à razão, que nos ajuda a perceber que não há diferença entre o perímetro e o diâmetro de um anel de criança e de uma roda-gigante. É assim que o Bonecos do Mundo enxerga o ser humano: sem distinção.

Com uma margem de possibilidades infinita. Somos embalados pelas reticências… Pela liberdade. A mesma que permite a Alice crescer e diminuir de tamanho a todo momento. A altura ou o peso de uma pessoa, sua idade, cor, gênero, religião, se tem dinheiro no bolso ou não, nada disso faz diferença para o Festival. Queremos você na medida do impossível. E foi assim, sem limites ou restrições, que gente e boneco de todas as dimensões entraram em outra dimensão. Seguiram o coelho de Lewis Carroll pelos 15 hectares do Parque da Lagoa. Caíram juntos num mundo para além de João Pessoa. Joãos, Susys, Ernestos, Gabrielas, Ricardos, Amandas, Pedros, Rosas, Joaquins… Todo mundo com sobrenome Pessoa.

Pessoas, pessoas e mais pessoas. Foram 37 mil em unidade e união. Imensuráveis as contas que fizemos diante do que sentimos frente àquela lagoa de gente. Um formigueiro humano, que, de miúdo, não tinha nada. Era proporcional à curiosidade e vontade de acesso à cultura. Ainda maior que a gigantesca estrutura montada com seus 5 palcões, palcos e palquinhos. Pavilhão da exposição de 300 bonecos raros. Praça dos Mamulengos e de seus Mestres. Companhias de 7 países e 8 estados brasileiros. Marionetes de mais de 5 metros a títeres do tamanho de um palito de fósforo. E não é que às vezes o miúdo parecia maior que o grande? Sim, grandeza não se conta em números finitos. É o tal enigma do pi. Quando a última apresentação do projeto chegou ao final, perguntou Alice: “E agora, onde vamos parar?”. Não sabemos, querida. A próxima casa é um mistério. Mas tomara que seja na de quem leu este texto com a gente.

Idealização e curadoria do Bonecos do Mundo: Lina Rosa Vieira (nossa diretora de criação)

Fotografia: Beto Figueiroa

Para saber mais sobre as nossas ideias, acesse www.aliancacom.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *