Nego Duda da Gaita – Uma luz mais forte que a do projetor.

14681991_1109349169148551_1963807684021468101_o

Em Quebrangulo ou pra onde for, ele brilha

José Maximiliano da Silva é conhecido como Nego Duda da Gaita. Mas bem que poderia ser chamado de Nego Duda da Luz. Em Quebrangulo ou pra onde for, ele brilha. Brilha porque é uma grande figura. Brilha porque suas roupas refletem o que ele tem por dentro. Brilha porque toca gaita de um jeito tão bonito que emociona toda gente. Esteve em cada um dos 6 dias das duas passagens do Cine Sesi Cultural na cidade dele. Projeto cultural idealizado pela diretora de criação da Aliança Comunicação e Cultura, que ficou ainda mais cultural com a sua presença.

Maximiliano é mesmo o máximo. Diz que vira outra pessoa quando está fantasiado. “A gente pensa diferente.” Fantasiado, ele vira mais dele mesmo. O que separa o homem que toca a vida do homem que toca gaita? Não sabemos. Mas o que une é a arte. Obrigado pela presença, Nego Duda da Gaita. O nosso Cine teve a honra de receber uma estrela.

E se um dia os sonhos é que resolvessem correr atrás da gente?

Mesmo que fosse até bem longe, atravessando as estradas do interior de 12 estados brasileiros? E se eles viajassem milhares e milhares de quilômetros, passando por centenas de cidadezinhas, levando tudo que a gente sonhou? Ia precisar de uma bagagem bem grande. Na verdade, de um caminhão. Então, por onde ele passasse, transformaria tudo. O que era esperado, viraria inesperado. Onde tivesse praça, teria festa. Onde tivesse rosto, teria sorriso. O que era milho, viraria pipoca. E assim, pouco a pouco, de cada matinho de mata, sairiam romances, aventuras, dramas e comédias. Para encontrar mais de 5 milhões de espectadores.

E se a gente disser que essa história é de verdade? Acontece há 16 anos e se chama Cine SESI Cultural. O projeto roda longas metragens para fazer o cinema percorrer seu o caminho de volta. Dos filmes brasileiros, 90% são inspirados nas histórias do interior: é justo que 90% de suas cidades não tenham cinema? Em sessões abertas nas pracinhas ou ruas de casario, quem é acostumado a andar pelas estradas de barro ou de pedra estreia os pés no tapete vermelho. Curtas e longas com qualidades técnica e criativa. Filmes de gente famosa no mundo e na vizinhança. 

O mais bacana de tudo é que os sonhos não vão embora com o caminhão. A experiência dura 3 dias. Mas o que fica na lembrança é para sempre.

Fotografia: Helder Ferrer

Um comentário sobre “Nego Duda da Gaita – Uma luz mais forte que a do projetor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *